O primeiro vídeo e outras influências

Você lembra qual foi o primeiro vídeo de Lindy Hop que assistiu? Como foi esta experiência? Lembra quais foram os vídeos que fizeram você se apaixonar por esta dança? Eles sim…

A

Alex Yan

O primeiro vídeo – O primeiro vídeo de Lindy Hop a que eu assisti foi num evento de dança (Swingout Northwest), antes dos tempos do YouTube. Era parte de uma apresentação de vídeo, e eu esqueci qual foi o primeiro vídeo realmente, mas pelo menos incluía Buck Privates e Hellzapoppin. Naquela época, eu não sabia muito de dança, e eu fiquei confuso e sem inspiração (e essa é uma das razões por que eu queria fazer o Jazz Dance Film Fest: vídeos de música modernos têm mais chance de mostrar a dança em um contexto que os espectadores modernos conseguem entender.

A influência dos filmes e vídeos online na sua descoberta do Lindy Hop – Naquela época havia quase sempre uma apresentação de vídeo em todo grande evento de dança. Em algum ponto, eu me interessei o suficiente, e comecei a guardar vídeos (DVDs) tanto com dança de jazz como música de jazz. Aí eu percebi que tinha muitos vídeos de jazz com músicas completas (e quase nada de dança). Também percebi que eu gostava de assistir aos músicos tocando, me ajudava a escutar os diferentes instrumentos, e era uma energia bem diferente de simplesmente ouvir um CD. Eu queria compartilhar aquilo, então comecei a ser DJ com vídeos de música (um amigo dizia que isso era se VJ — “video jockey”), o que deu muito certo, apesar de demorar muito para montar e desmontar e não existem vídeos suficientes para fazer com muita frequência, então eu faço a cada seis meses mais ou menos).

J

Jennifer Lee

O primeiro vídeo – O comercial da GAP! Eu vi e achei que era super enérgico e divertido.

K

Karine Hermes

M

Mari Turco

Os primeiros vídeos – “O primeiro que eu assisti na vida foi o Hellzapoppin, mas daqui de São Paulo foi o I Charleston São Paulo.

Eu cheguei até o Hellzapoppin por causa de uma pesquisa histórica relacionada a danças negras americanas e, se você vai descendo nessa linha histórica você chega no Hellzapoppin, que foi um bom registro. Eu olhei e pensei ‘Nossa! Isso é muito legal!’. Pra quem assiste é maravilhoso e assustador ao mesmo tempo; você não se imagina fazendo aquelas coisas, naquela velocidade e naquela perspicácia. Eu acho muito, muito, muito técnico e exibicionista. É uma coreografia para ser chamada a atenção. Ele não é algo que diz: “Vem cá com a gente, vem dançar também”. Ele é mais: “Olha o que existe no mundo, que foda!”. Ele é muito mais impressionante do que acolhedor.

No caso do I Charleston São Paulo foi diferente, trouxe mais empatia. Eu pensei: ‘Quero dançar isso aí’.”

R

Rusty Frank

O primeiro vídeo – Hellzapoppin’, Day At The Races, Groovie Movie. Eu sentei e assisti por horas. Era como uma escola especial. Eu fiquei completamente inspirada!

S

Sing Yuen Lim

A influência dos filmes e vídeos online na sua descoberta do Lindy Hop – Quando eu comecei em 1988, exisitam as fitas VHS que meu amigo Ron Leslie tinha compilado e nós assistíamos várias vezes para ver como era o Lindy Hop no passado. Também havia os vídeos de competição americanos, mas estes demoravam demais para chegar — talvez seis meses depois do fim da competição.